Fusca

Fusca

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

O ACESSÓRIO DO ACESSÓRIO

"Fader" da Blaupunkt em catálogo alemão. 

O "Fader" é um dispositivo para variar ou alternar o volume do som dentre dois ou mais alto-falantes instalados no interior do veículo. É o acessório do acessório, uma vez tratar-se de um opcional para o sistema de som automotivo, que, via de regra, também é considerado um acessório. 

Prospecto americano da Blaupunkt com destaque para o "Fader".

Foi fabricado por diversas empresas, porém, nesse tópico, destacamos o apetrecho feito pela Blaupunkt, marca oficial de rádios que equiparam os veículos Volkswagen durante décadas.

No Fusca, o equipamento devia ser instalado embaixo do painel, próximo do motorista. Isso permitia que pudesse, por exemplo, retirar todo o som da parte de trás ou somente da frente, ou, ainda, manter o volume maior ou menor em cada uma dos alto-falantes, propiciando maior conforto aos passageiros mesmo com o rádio ligado. Lembremos que no Fusca, era comum instalar-se mais de um alto-falante: na frente, era instalado no painel ou embaixo dele e nas portas. Na parte de trás, no interior do próprio chiqueirinho, sobre o bagagito ou tampão do chiqueirinho, embaixo do banco traseiro utilizando o roda-pé esquerdo, ou, ainda, na forração lateral.

Alto-falantes automotivos da Blaupunkt e respectivo controle de volume.

Acessório típico dos anos de 1960, essa funcionalidade de se poder alternar o som nos alto-falantes acabou, mais tarde, sendo incorporada no próprio rádio, a depender do modelo e fabricante. 

"Fader" da Blaupunt: frente e trás.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

L 19 ATLANTIC GREEN

Cor utilizada pela VW alemã entre março de 1953 a dezembro de 1953. Código L 19. Em inglês é Atlantic Green. Em alemão Atlantikgrün.

Verde escuro.

L 227 STRATO SILVER

Cor utilizada pela VW alemã de 01.01.1954 a 31.03.1956. Código L227. Em alemão é "Stratosilber".

Cor metálica.

L 331 HORIZON BLUE

Cor utilizada pela VW alemã entre 01.04.1956 a 31.07.1957. Código L-331. Horizontblau,  em alemão. Em inglês é Horizon Blue. Em português, azul horizonte.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

SUPORTE DOS CABOS DE VELA

Até abril de 1959 o Fusca utilizou um suporte metálico  que conduzia os cabos de vela do distribuidor aos cabeçotes. Esse equipamento foi utilizado até o motor nº 2.938.463.

Popularmente conhecido como caninho do cabo de vela, era instalado sobre o coletor de admissão por meio de duas presilhas. As presilhas mais antigas usavam um parafuso de cabeça sextavada com uma porca soldada na parte posterior da abraçadeira. Posteriormente, esse parafuso passou a ser do tipo rosca soberba com cabeça de fenda.

Acima, perceba a diferença entre a abraçadeira mais "antiga" (à direita), com uma porca soldada na parte de trás, e a mais "recente" (à esquerda), sem porca e com parafuso de rosca soberba unindo as duas peças.

A partir do motor nº 2.938.464 o duto metálico foi substituído por três suportes de borracha, instalados na capelinha do motor.

Até o modelo 1970 esse suporte era da cor clara; posteriormente passou a ser preto.

Suporte na cor mais clara em um Fusca 1970.

Detalhe do suporte do cabo de vela preto em um Fusca 1982.

BAD CAMBERG

Bad Camberg é uma cidadezinha de quinze mil habitantes localizada na Alemanha, distante 44 km de Frankfurt, onde ocorre, a cada quatro anos, um encontro internacional de Fuscas, Kombis e demais derivados, reconhecido pela excelência dos veículos expostos. 

Heinz Willy Lottermann, falecido em 2.000, era o organizador do encontro. O primeiro evento aconteceu em 1979 e, desde então, a cada quadriênio, a pequena cidade é invadida por besouros, Kombis, Karmann-Guias, Kübelwagens, Schwimmwagens, dentre outros, principalmente  da década de 1940 e 1950. Prestigiam o evento pessoas do mundo inteiro, sempre ávidos por estarem mais próximos dessas raridades.

Foi em Bad Camberg que o Sr. Alexander Gromow lançou, em 1991, a ideia de criação do Dia Mundial do Fusca, data que se tornou oficial no evento seguinte, em 1995.

Uma das tradições do evento é a confecção de um escudo ou badge (em inglês), termo utilizado para descrever uma variedade de emblemas feitos em ferro, alumínio ou outro material, podendo apresentar-se no metal cru, pintado ou esmaltado (ágata), destinados, precipuamente, a serem fixados na carroceria do automóvel.

Desde o primeiro evento o escudo é disponibilizado ao público em geral, sendo que, na Europa, existe uma verdadeira legião de colecionadores desse tipo de lembrança, cuja tradição remonta à década de 1950, permanecendo pujante até os dias atuais. A seguir, desfrute de todos os escudos de Bad Camberg, do primeiro ao último.

1979. 1º Encontro

1983. 2º Encontro.

1987. 3º Encontro.

1991. 4º Encontro.

1995. 5º Encontro.

1999. 6º Encontro.

2003. 7º Encontro. Uma homenagem a Heinz Willy Lottermann, falecido em 2000, organizador até então do evento.


2003. 7º Encontro. Variação do escudo.

2007. 8º Encontro.

2011. 9º Encontro.

2015. 10º Encontro.

sábado, 2 de setembro de 2017

PROTETOR DE NEVE PARA MAÇANETA EXTERNA

Na década de 1950, em razão do rigoroso inverno europeu, e da considerável quantidade de carros que ficam estacionados na rua, surgiu um pequeno e útil acessório: o protetor de neve para a maçaneta externa. 

Feito em borracha, ele é encaixado sobre a maçaneta externa, do lado esquerdo, para proteger o cilindro, evitando que gotículas de água penetrem no seu interior e congelem. Nessa incômoda situação, o motorista teria grande dificuldade para introduzir a chave no cilindro para abrir a porta.

Fabricado pela empresa alemã Record, bastava tirar o pequeno apetrecho do lugar para liberar o cilindro, agora livre e desobstruído

À medida que a maçaneta externa do Fusca foi evoluindo, também o protetor Record foi sendo modificada, para bem acomodar-se no local. Assim, temos o protetor para encaixar-se nas maçanetas do tipo geladeira, utilizadas pelo Fusca até 1959, bem como as maçanetas com botão de pressão, utilizadas a partir do modelo 1960.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

REDINHAS SUSPENSAS

Porta-treco em formato de rede em um Fusca split.

Para otimizar o espaço do Fusca, principalmente para a acomodação de pequenos objetos, o mercado de acessórios sempre ofereceu diversas opções. Neste tópico abordaremos as redinhas suspensas, porta-treco feito em material levemente elástico, coberto por tecido e trançado tal qual uma rede de pesca. 

O mais comum era ser instalado na parte superior do pára-brisa.

Muito popular na Alemanha e EUA, principalmente na década de 1950, chegou a ser oferecido como acessório oficial, vendido na rede autorizada VW, figurando, inclusive, nos catálogos da época.

O acessório em catálogo oficial da VW alemã.

Era fabricado em diversos padrões e cores e, via de regra, instalado na parte superior do pára-brisa, logo acima do espelho retrovisor. De fácil colocação, possuía presilhas nas extremidades que seriam para ser o encaixe nas longarinas de teto e a parte posterior do quadro do pára-brisa.

Os vários locais do Fusca onde o porta-treco podia ser instalado (1957).

Todavia, havia opções do apetrecho próprios para serem instalados em outros locais do interior do Fusca, como, por exemplo, no chiqueirinho, no teto acima do banco traseiro e até mesmo embaixo do painel.

O acessório em catálogo de meados da década de 1950.

Obviamente que em razão do tipo de material empregado na fabricação do acessório, não permitia a guarda de objetos grandes ou muito pesados. Era próprio para a guarda de pequenas coisas, como manuais, livros e revistas, mapas, pequenos travesseiros de viagem, lenços, luvas, etc.

Redinha embaixo do painel, do lado do passageiro (1955).

Panfleto de venda do acessório na Alemanha: "prático e elegante".

A marca alemã mais famosa desse tipo de porta-treco foi a COMFORT, que fez o fez especialmente para o Fusca. O anúncio de época pode ser visto adiante, 

Anúncio de maio de 1956.

Redinha no chiqueirinho de um Fusca 1955.

O porta-treco instalado em um VW da década de 1950.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

SUPORTE DE ABERTURA DA TAMPA DO MOTOR

Suporte de abertura da tampa do motor do Fusca.

Na década de 1960, a empresa paulistana METALÚRGICA EMA lançou no mercado um espaçador para ser fixado na base inferior da tampa traseira do motor, vendido com a finalidade de melhorar sua refrigeração, evitando o super aquecimento do coração do besouro.

Produto da Metalúrgica Ema.

Há quem faça duras críticas a esse acessório, principalmente pelo fato de o equipamento deixar a tampa entreaberta na parte inferior, o que poderia ocasionar o efeito contrário, ou seja, um maior aquecimento do motor. Alega-se que a tampa entreaberta permitiria a reentrada do ar quente dissipado pelo próprio motor, aumentando a temperatura no compartimento da máquina.

Local de instalação do acessório em um Fusca 1200.

Sem adentrar no mérito da questão, pretendo apenas demonstrar os acessórios disponíveis no mercado na época áurea do Fusca; o suporte EMA era um deles. Fabricado para as diversas variações nas tampas do motor do Fusca, quais seja, tampas até 1966, de 1967 a 1970 e 1971 em diante). A dobradiça do suporte é fixada na saia traseira e, sua parte superior, encaixada na tampa, junto à fechadura, de modo a permitir seu travamento com chave. O apetrecho podia ser usado tanto para motor original, quanto o modificado, com maior cilindrada e potência, que possa exigir maior controle de sua a temperatura.

Suporte Ema embarcado no Fusca 1500 ano 1972 do amigo Yel Feu, de Curitiba.

Observe a posição entreaberta da tampa do motor com o acessório instalado.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

JET AIR

Ventilador Jet Air instalado em Fusca 1500 1973.

Sabidamente o sistema de ventilação interna do Fusca sempre foi deficiente. A abertura do quebra-vento é uma das maneiras para melhorar a entrada de ar para o interior do veículo. Outra opção disponível na época era instalar em ventilador.

Ventilador Jet Air fabricado pela Invictus.

Um dos diversos modelos disponíveis era o modelo Jet Air, que foi fabricado pela Invictus Rádio e Televisão Ltda, então sediada na Rua da Consolação, 1.585, São Paulo (SP), mais conhecida pela fabricação de rádios residenciais e automotivos, televisores, alto-falantes e toca-fitas.

Detalhe da marca Invictus no ventilador Jet Air.

Curioso, contudo, que nem todos os ventiladores com a marca Jet Air possuem a identificação da empresa Invictus, sugerindo que o equipamento possa ter sido fabricado, em algum período, por outra empresa ou, ainda, que a Invictus tenha abdicado de identificar seu nome nesse acessório.

Perfeito para os Fuscas da década de 1970.

Era instalado embaixo do painel do Fusca e ligado à corrente elétrica do próprio veículo. Para tanto, o ventilador já vinha com um suporte apropriado para permitir a correta instalação do equipamento. Encontrado unicamente na cor preta, era perfeito para os Fuscas da década de 1970, combinando com os botões e outros detalhes pretos do painel do besouro.  

Instalado sob o painel, com suporte específico.

Agradeço ao amigo "Serafim" por ceder as fotos do ventilador instalado em seu belo Fuscão 73.