Fusca

Fusca

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

RÁDIO BLAUPUNKT DERBY (PIC-NIC)


Rádios .... ah os rádios, fascinantes rádios. Até hoje, uma das primeiras providências de quem compra um carro novo é instalar um radinho.  Apenas os modelos top de linha vinham (e ainda vem) com o sistema de som já instalado (Dodge, Galaxie). É um acessório básico e, para muitos, essencial.

 O fusca não vinha com rádio instalado de fábrica; a colocação do rádio era uma opção do adquirente, que podia fazê-lo, se quisesse, na própria concessionária ou nas diversas lojas que faziam a venda e instalação do equipamento.

Entre as centenas de opções disponíveis na época, destaco, neste tópico, o Rádio Blaupunkt Derby, tipo PIC-NIC. É assim chamado pelo fato de poder ser retirado do veículo e ser usado em outras situações (no pic-nic com a família, em casa, no trabalho, etc.). Esse tipo de rádio é conectado no carro por uma bandeja (suporte) instalada embaixo do painel do fusca. Portanto, a característica básica do rádio pic-nic é funcionar com dupla opção de energia: quando conectado na bandeja, funciona utilizando-se da corrente elétrica do veículo; quando retirado, funciona com pilhas comuns. A outra vantagem do rádio pic-nic é que não havia necessidade de instalar alto-falantes no veículo, pois o próprio rádio possuia o sistema.

O Derby Blaupunkt foi lançado no início dos anos 60 e, cosmeticamente, foi evoluindo com o tempo ...

... porém sempre com a mesma proposta.

O Blaupunkt acima é o modelo mais antigo e possuia uma alça que facilitava carregar o rádio. Essa alça é apenas encaixada, podendo ser retirada do rádio e guardada no porta-luvas, o que maximizava o espaço no interior do veículo. Conectava ondas curtas, AM e FM.

A Blaupunkt oferecia, para quem quisesse, um alto-falante adicional, que podia ser instalado no chiqueirinho do fusca, por exemplo, melhorando a qualidade e a propagação do som no interior do veículo. A caixa do alto-falante era próprio do modelo Derby, combinando com a cor e padronagem do rádio.

Havia uma diversidade de cores à disposição do motorista: preto, verde, cinza, etc. (foto by AlexWoa, http://www.alexwoa.com/).

A bandeja possuia uma chave de segurança. Assim, o rádio só podia ser sacado do suporte tendo-se a chave em mãos.

A bandeja do Blaupunkt tinha opção de 6v, 12v ou 24v, ou seja, funcionava em qualquer veículo, independentemente da voltagem utilizada: bastava deslocar o botão para a corrente desejada.

Apesar de ser um modelo típico dos anos 60, acima, o Derby instalado num fusca oval. Observe os outros acessórios embarcados: volante tipo Banjo, trava de câmbio, relógio de painel, badge de 100.000km rodados, vasinho de flores, defletores de ar nas extremidades do painel, espelho retrovisor interno SWF com luz de leitura e apoio de braço central.

Outro fusca oval com o Derby instalado.

O rádio Blaupunkt embaixo do painel de um fusca com vigia quadrado. Observe que o suporte possuia a inscrição B L A U P U N K T. Ao lado do rádio, observa-se um aquecedor de ar quente, movido a gasolina, da empresa americana South Wind.

O rádio podia ser instalado em qualquer veículo da linha Volkswagen ...

... porém a Kombi possuia melhor espaço para receber o Derby.

A Kombi acima, além do Derby, possui um relógio de horas instalado.

Para quem tinha um Derby e quisesse melhorar a recepção das estações de rádio, podia instalar uma antena adicional no rádio, porém, fixada na janela do passageiro!.

Isso mesmo, era um opção para quem não queria furar a lataria com a instalação de uma antena. Apesar de o rádio Derby possuir uma antena própria, a antena fica retraída quando o rádio está conectado na bandeja. É até possível puxar parte da antena, porém, o pouco espaço embaixo do painel do fusca impede que a antena do rádio fique totalmente empunhada o que poderia prejudicar a recepção dentro do carro. Para melhorar essa deficiência, criou-se a antena para fixação no vidro da janela lateral.

Havia diversos fabricantes dessas antenas, dentre eles, a Hirschmann alemã.

Para os fuscas dos anos 50 e 60, a melhor combinação é a antena com a base na cor marfim. O rádio Degby possuia conexão própria para receber a antena adicional.

Essa antena possuia um sistema (tipo presilha) que a prende no vidro, evitando deslocamentos laterais por conta da ação do vento. Também permite que se baixe parcialmente o vidro da janela sem qualquer prejuízo ao funcionamento do receptor.

Esse tipo de antena normalmente possuia a ponta em cristal vermelho. Dá um toque especialíssimo ao fusca.

Folder do rádio Derby da Blaupunkt, empresa do grupo Robert Bosch.

No folder, o rádio Derby aparece instalado num Karmann-Guia. As fotos dão a exata noção da proposta inovadora do rádio.

Outro folder da Blaupunkt com o Derby. Blaupunkt e Volkswagen: feitos um para o outro! A frase representa bem a parceria entre as empresas, uma vez que a Blaupunkt (Bosch) foi, durante muitos anos, a fornecedora oficial de rádios para a Volks.

No folder tem-se a vista do instalado embaixo do painel.

Outro prospecto com o Derby instalado no centro do painel do fusca.

O Derby na revista alemã Motor Ründschau.

Outra aparição do rádio na mesma revista.

Todo transistorizado, multi-funcional, com recepção tanto de AM, OC e, principalmente, de FM (algo pouco comum na época), foi um rádio bastante inovador em função de sua mobilidade. Desejado na época, esses rádios chegaram a ser importados para o Brasil nos anos 60, porém, sobraram poucos para contar a história.

Um comentário:

  1. Não fazem mais coisas boas, hoje só fazem porcarias e caras, pode um new fiesta dar problemas de cx de direção com menos de 24 meses de uso? Antes faziam pra durar hoje fazem pra lucrar, seu blog tá show.

    ResponderExcluir