Fusca

Fusca

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

GRAVADOR PARA FUSCA

 
Já tínhamos abordado, em tópico passado, acerca do uso de vitrola no Fusca (veja aqui). Agora, é a vez do gravador para Fusca, desenvolvido pela empresa MOTORÁDIO, denominado Motorádio Music Magazine (foto acima, tendo em primeiro plano a manopla de câmbio Playboy).

A MOTORÁDIO foi uma empresa paulista fundada em 1942 pelo imigrante japonês Hiroshi Urushima em São Paulo. Foi o primeiro fabricante de auto-rádios no Brasil. De 1969 a 1978 manteve com a poderosa Sony uma associação (Sony-Motorádio), por meio da qual a empresa brasileira fabricava radiogravadores, aparelhos de som e televisores vendidos pela SONY. No inicio da década de 1990, a massa falida da MOTORÁDIO é adquirida pela empresa Audiomotor Comercial e Industrial Ltda. que utiliza a marca MOTOBRAS sendo hoje um grande fabricante de rádios portáteis e auto rádios, a maioria com Ondas Curtas. A fábrica está atualmente situada na cidade de Brasópolis (MG).

Com a invenção da fita cassete (ou K7) pela PHILIPS em 1963, criou-se um mundo de possibilidades em termos de gravação, reprodução e portabilidade do som. Nos anos 60, o consumo da música explodiu e comprar um aparelho pequeno que reproduzisse, a qualquer momento, sua música favorita era o sonho de consumo de todo jovem da época. 

 Como uma alternativa ao toca-fitas de cartucho, a MOTORÁDIO lançou, em 1969, o ESTOJO MUSIC MAGAZINE MOTORÁDIO. Era equipado com o gravador Sony TC-75 ou TC-100, para gravação de músicas, programas de rádio, discursos, aulas, etc. Era conjugado ao auto-rádio, que a fábrica recomendava fosse os MOTORÁDIO modelos simples ou automático. Retirado do estojo, o gravador funcionava como aparelho portátil a pilha ou luz. Era acompanhado de microfone com controle remoto "partida-parada". Segundo a empresa, "uma verdadeira orquestra em seu carro".

Anúncio da MOTORÁDIO no natal de Dezembro de 1969. Além de TV, rádio de mesa, vitrola, rádios para automóveis, lá estava o CONJUNTO MUSIC MAGAZINE, que podia ser instalado no carro, usado em sua residência ou mesmo para animar uma festa entre amigos. Maior bossa!


O conjunto era formado por duas peças básicas: a caixa externa propriamente dita, que possuía uma chave para trancafiar a portinhola retrátil frontal, evitando-se, assim, eventual furto do gravador ...

... e o aparelho da SONY, acoplado ao estojo. Um botão lateral era acionado pelo motorista para selecionar ouvir o toca-fitas ou o rádio do carro. O estojo da MOTORÁDIO possuía um suporte para ser instalado embaixo do painel do veículo.
Detalhe do plug que conecta o toca-fitas ao estojo. Por sua vez, o estojo era conectado ao rádio do carro. Com a popularização do rádio toca-fitas nos anos 70, a "orquestra" da MOTORÁDIO foi vendida até 1974, aproximadamente, quando então deixou de ser produzida.


Anúncio de época do gravador da SONY.

5 comentários:

  1. O surpreendente não é o aparelho em si, mas o fato de ele ter resistido um tempo ao advento dos toca-fitas, aliás, não sabia que a fita cassete era da década de 60.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Tem um estojo desse da motoradio?

      Excluir
    2. olá, para vender não tenho.

      Excluir
    3. Tenho sim entre em conato no email rds.edificacoes@gmail.com

      Excluir