Fusca

Fusca

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

EXTINTOR DE INCÊNDIO



Até o ano de 1969, o Fusca não vinha equipado de fábrica com extintor de incêndio. A obrigatoriedade do uso de extintor de incêndio em veículos automotores – inicialmente apenas para veículos de carga e de transporte coletivo – foi introduzida na legislação de trânsito pelo Decreto 62.127, de 16 de janeiro de 1968, que aprovou o Regulamento do Código Nacional de Trânsito. Posteriormente, a Resolução Nº 387 do Contran, publicada no Diário Oficial de 6 de maio de 1968, além de estender a obrigatoriedade do extintor aos veículos mistos de aluguel, especificou a quantidade, o tipo e a capacidade mínima dos extintores por classe de veículos. Contudo, foi a Resolução Nº 410/68, publicada no Diário Oficial da União de 28 de janeiro de 1969, que estendeu a todos os automóveis particulares a obrigação de portar extintor de incêndio, “a partir da data do seu licenciamento no ano de 1972”. Na mesma resolução do Contran, ficou estabelecido que os veículos de fabricação nacional, já a partir de 1970, sairiam da fábrica, obrigatoriamente, equipados com extintor de incêndio.


Em função dessa obrigatoriedade legal, os Fuscas a partir de 1970 passaram a ser equipados com extintor de incêndio que, inicialmente, foi instalado no lado esquerdo do motorista, embaixo do painel, em cima da saída do ar quente.


O extintor passou a ser localizado na parte de trás da forração interna do Fusca que o envolvia por meio de presilhas de pressão. Para remover o extintor, era necessário abrir a capa de proteção e a abraçadeira de fixação para, em seguida, romper o lacre de inviolabilidade e apertar o gatilho sobre o local do fogo. O extintor possui um manômetro com uma escala. Se verde, carregado; se vermelho, descarregado. O recomendável é efetuar a recarga sempre que o ponteiro adentrar na faixa vermelha, ou pelo menos uma vez por ano (nos anos 70 a fábrica recomendava que a recarga ocorresse a cada 6 meses). A verificação da carga deve ser semanal.

 

A partir de novembro de 1974, chassi BJ 106.600, o extintor de incêndio do Fusca passou a ser instalado no lado direito. Essa mudança deveu-se em função da introdução de um novo sistema de água para limpeza do para-brisa. A nova forma de acionamento do limpador do para-brisa, por meio de uma bomba de borracha localizada no lado esquerdo, fez com que o extintor de incêndio fosse deslocado para o lado contrário.


Portanto, a partir do Fusca modelo 1975 o extintor de incêndio encontra-se instalado no lado direito do Fusca e assim permaneceu até 1986 e, depois, entre 1993 a 1996 (período de produção do Fusca Itamar).

Anúncio de Dezembro de 1965 da empresa ATMA PAULISTA S.A.

Havia diversos fabricantes do equipamento e diversos era os modelos disponíveis. Alguns extintores, inclusive, possibilitavam que o pneu furado fosse enchido com seu conteúdo, de modo que o motorista conseguisse chegar até o socorro mais próximo.
  

5 comentários:

  1. Novo endereço do meu blog
    http://vwsantigos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Bela matéria como sempre. Para constar tenho aquele modelo tipo o cromado da foto que levo no porta malas e já me salvou enchendo pneu vazio. Era da DKV do meu padrinho que encontrei na garagem. Sabe-se lá quantos anos tem ainda com a mesma caraga. Abraço

    ResponderExcluir

  3. Fazia um tempão que não passava aqui no opasgarage...^^'


    Além da dica sobre originalidade, este ótimo artigo me fez lembrar que preciso trocar o meu extintor urgente!OO'

    Obrigado Opa^^

    Abrax^^

    ResponderExcluir
  4. Tenho um fusca 68 com placa preta carro de coleção, preciso usar extintor?
    Luzwilmar@ gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A grande vantagem da placa preta é não precisar usar os itens de segurança atuais. Como seu Fusca 68 saiu de fábrica sem extintor de incendio, a placa preta permite que continue assim. De fosse placa cinza, vc. estaria obrigado a ter extintor no carro.

      Excluir