Fusca

Fusca

domingo, 23 de março de 2014

GEDORE

A mundialmente conhecida fábrica de ferramentas GEDORE foi fundada em 1919 na cidade de Remscheid, Alemanha pelos irmãos Otto, Willi e Karl Dowidat. GEDORE é o acrônimo das iniciais de GEbrüder (irmãos, em português), DOwidat (sobrenome da família) e REmscheid (cidade de fundação da empresa), ou, em outras palavras, os Irmãos Dowidat, de Remscheid.

 Conhecida pela qualidade excepcional das ferramentas fabricadas, não é à toa que possui como lema Werkzeuge fürs Leben, ou seja, Ferramentas para a Vida. No Brasil, encontra-se instalada na cidade de São Leopoldo no Rio Grande do Sul. Mais informações sobre esse gigante no site www.gedore.com.br.

 Obviamente a Gedore fabricou ferramentas exclusivas para serem usadas no Fusca.
Dentre elas destaca-se a Caixa de Ferramentas 1600M, onde o emblema do mecânico trabalhando num KDF, ladeado pelas ferramentas da empresa, é mundialmente conhecido pelos fãs do besouro.
 A Caixa era feita de metal, com o nome GEDORE na tampa e identificação da linha de ferramentas 1600M. Havia outras linhas de ferramentas feitas pela GEDORE para o Sedan, tais como a linha S1600 e 1610.
 A Caixa 1600M possuía duas divisórias de madeira onde repousavam as ferramentas da GEDORE e permitiam fazer todo tipo de manutenção e conserto no besouro.
 Tal qual a HAZET, o azul é a cor característica da GEDORE.  
 As ferramentas da GEDORE eram duplamente identificas: além de insculpidas na própria ferramenta, possuíam um pequeno adesivo da empresa.

Adiante, um pequeno resumo da História da Ferramenta, elaborado pela Casa e Cultura:

A história da ferramenta

              A história da ferramenta
A ferramenta é uma das provas de que o homem iniciou a sua evolução há pelo menos dois milhões de anos. No ano de 1959 foram encontrados na África ferramentas de um milhão e setecentos mil anos atrás. São martelos e choppers (instrumento de corte) que comprovam a existência de uma técnica já em desenvolvimento. As ferramentas do longo período que se chama Paleolítico (Idade da Pedra) eram feitas de sílex, um tipo de pedra que era retirado de grandes bancos rochosos, através de picaretas feitas com chifre de veado. Os blocos de pedra retirados eram talhados através da percussão até a formação de um núcleo, a base da futura ferramenta.
A história da ferramenta
       
A forma e as técnicas básicas da utilização de vários instrumentos que usamos até hoje já eram conhecidas desde os primórdios da evolução humana. A pinça, por exemplo, já usada para a depilação, era feita com conchas de mexilhão. Havia o endireitador de flechas, que é o ancestral da nossa chave-inglesa e do alicate, furadores que eram usados através de rotação, martelos e machados específicos para funções diversas, buris e raspadores.
Nossos ancestrais já sabiam de diversas relações entre o tamanho do cabo e o peso do percutor para que um martelo pudesse, ou quebrar pedrasduríssimas, ou talhar uma colher de madeira; já usavam contrapesos para controlar o impacto e a direção dos golpes e usavam espécies de amortecedores para aproveitar os estilhaços da pedra. Podemos observar, durante todo o período da Idade da Pedra, uma evolução importante na história da ferramenta.
As primeiras ferramentas de corte tinham um tamanho que variava de 40 cm até um metro. Num período de tempo que chega a quinhentos mil anos, os intrumentos de corte vão se reduzindo de tamanho, até se tornarem microlâminas (os Micrólitos, que não chegavam a 2 cm) que eram encabados com madeira ou osso. Foi no período chamado Neolítico que se conheceu uma das maiores revoluções na história da humanidade. Nele surge, há 8.000 anos atrás, a agricultura, a domesticação de animais e a cerâmica. Desenvolve-se assim, a fabricação de ferramentas específicas para estes trabalhos.
A história da ferramenta
       
Entretanto, na história das ferramentas, o fato mais importante acontece há mil e duzentos anos atrás, com o domínio da técnica de fusão e tratamento do ferro. Apesar de o metal já ser conhecido, pois muitos povos usavam o metal de meteoros para fazer facas, pontas de flechas e instrumentos para perfurar, este era tratado como a pedra, através da percussão e do polimento. O forno, e fole, a bigorna, o martelo, revolucionaram o uso dos metais, possibilitando o surgimento de uma indústria metalúrgica, com a qual o homem passa a produzir a própria matéria de que será feita a ferramenta. O ferreiro passa a ser o mestre e o fabricante de ferramentas, adquirindo, em todos os povos que dominam a metalurgia, um papel de destaque. Com seus segredo, rituais e tecnologia, os ferreiros passam a influenciar a representação dos deuses de vários povos, além de criarem uma série de novos tabus. Surgem os deuses ferreiros ou os deuses que usam o martelo, a bigorna ou mesmo o fogo, na forma de raio, para simbolizar o poder e a força. Surgem os tabus que afastam as oficinas das aldeias impedindo o acesso de pessoas estranhas à atividade metalúrgica e, principalmente, a presença de mulheres. Acreditava-se que se a mulher olhasse o trabalho do ferreiro, uma grande praga cairia sobre ele.
História da Ferramenta A história da ferramenta
       
O poder do ferro, e conseqüentemente, do fole, do martelo e da bigorna, é tão grande que estas ferramentas passam a ser vistas como mágicas, atuando por conta própria. A origem do universo e do próprio homem passa a ser explicada como um processo de fabricação semelhante ao processo de fabricação do objeto de ferro. Deus produziu o homem através da transformação (ou sacrifício) de uma matéria original, da mesma forma que o ferreiro produz uma faca através da transformação do minério de ferro. Até o século XVIII d.C. apesar das modificações importantes que ocorreram com as ferramentas, todo o trabalho era realizado através de dois tipos de motores: o motor humano e o motor animal. Há duzentos anos atrás o homem começou efetivamente a substituir os dois motores que usou desde o início da sua evolução. No ano de 1775 James Watt inventou a máquina a vapor que principia a substituição da força animal e humana na realização de trabalhos.
A história da ferramenta
       
As ferramentas passaram então a ser movidas pela força do motor. Com ele - movido a vapor, a combustível líquido ou elétrico - foi possível fazer vários martelos, vários furadores, vários raspadores funcionarem ao mesmo tempo. Com uma velocidade maior, com movimentos mais precisos, por um tempo bem mais longo. A ferramenta funciona junto com a máquina, constituindo assim a máquina-ferramenta, a condição para que pudesse ocorrer a revolução industrial que se alastrou por todo o mundo. O ferreiro cede lugar ao cientista que a inventa, ao industrial que a financia e ao operário que comanda a máquina. A ferramenta deixa de ser mágica para ser produto da ciência. O mundo deixa de ser pensado como resultado do trabalho de um deus-ferreiro e passa a ser representado como uma máquina perfeita. O modelo desta máquina, que o homem moderno passa a fabricar, é o relógio.
A partir da Segunda Guerra Mundial, com o desenvolvimento do computador, inicia-se um novo período de revolução na história da ferramenta. Com a união entre o motor elétrico, a ferramenta e o computador, surge a máquina mais perfeita já construída pelo homem: o robô, a máquina que pode realizar tarefas variadas como bater, prender, cortar, soldar, a partir de um programa. O computador trouxe para dentro da máquina-ferramenta a capacidade de memorizar informações, de efetuar cálculos e operações lógicas, de ordenar as tarefas, registrar e avaliar o que faz, além de detectar problemas e prováveis defeitos. A ferramenta, então, trabalha automaticamente durante todo o processo de fabricação independente da presença do homem. A atual revolução da ferramenta continua em outros campos da ciência, atingindo a física, onde surgem ferramentas tão fantásticas, como o acelerador de partículas, que tem a capacidade de, a partir da energia, criar matéria; ou atingindo a biologia, que conseguiu instrumentalizar verdadeiras ferramentas vivas, as enzimas, responsáveis pela manipulação genética. A história do homem pode ser vista como a história das suas ferramentas. Uma história que vai da pedra ao átomo e que sempre colocou o homem frente a origem de todas as ferramentas: a capacidade de criar.

Um comentário:

  1. Muito Legal! A Gedore fica aqui do lado de casa Rudinei, bela postagem esta! Fraternal abraço!

    ResponderExcluir