Fusca

Fusca

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

BICHARADA À SOLTA!

A bicharada está à solta! Pode não parecer, mas os bichos estão estreitamente ligados ao Fusca. Afinal, em todo o mundo, o apelido mais comum do Fusca é Besouro. Em alguns lugares, Joaninha, e em outros, Tartaruga. Além disso, diversas partes, peças e acessórios do Fusca remetem ao mundo animal. Vamos viajar um pouco pelo Beetle Planet!


Besouro é o apelido do Fusca em 36 (trinta e seis) países. É assim na Alemanha, nos EUA, Canadá, Inglaterra e Índia, na Holanda e até na China. Imagina! Se for forte e musculoso é Bizorrão, como o 1600-S lançado em 1974 e 1975. Outra espécie de besouro é o escaravelho, nome dado ao Fusca em ao menos 14 (quatorze) nações, como na Espanha, México e na Croácia. E não se trata de falácia!

Se não é besouro ou escaravelho, é Joaninha, outro membro da família dos Coleópteros. Foi o apelido das rádio-patrulhas em São Paulo e a alcunha do Fusca em países como França, Itália e em outros que nem imagino. Na França é Coccinelle e na Itália é Maggiolino.

Fusca é tartaruga na Bolívia, Bulgária, Malásia e Panamá. Melhor carrinho não há!


Em outros países, chamam-no de ovo. Ovo de bicho. Nada de novo.

Com motor mais potente, ficou mais contente. E virou Tigre. Ou Tigrão. Com cavalos a mais, ficou falastrão.

Em 7 (sete) países, como sapo é conhecido. Seus olhos grandes - não fique estarrecido - transformaram-se em faróis. Olho de Sapo. É o modelo do farol do Fusca usado até 72. A coifa do freio de mão virou sapão. Ou sapinho, se quer mais carinho.

Do boi veio a visão. Olho de boi, Para quem gosta de um bicho menor, é olho de sapo. É para o Fusca enxergar melhor à noite. Não bastasse o olho, cedeu o boi também seu pé. Pé de Boi é o nome dado à versão espartana do Fusca fabricado nos anos 60. Vê se aguenta! 

Da companheira do boi galante, tirou-se a língua da vaca falante. Virou bacalhau. Não entendeu? Não leve a mal, esse foi o mote. É o suporte de fixação do pára-choque.

Bom bacalhau não tem espinha. Tem? Tinha? Espinha. De peixe. Padrão do tecido que revestia os bancos do Fusca nos anos 50. Não bastasse a espinha, do peixe veio o rabo. Rabo de peixe, acessório da Neusa. Que neura!

Se não gosta de peixe, o porco é uma opção. O focinho pode ir para a feijoada ou para o Fuscão. É o antigo cabeçote da suspensão. Sua companheira, pouco fiel, está sempre de olho no parafuso. Oh, que cruel! Pra seu consolo, seu lar é o preferido das crianças. Qual pequenino não gosta de se aconchegar no Chiqueirinho?

Do porco ao cachorrinho, a casa virou casinha. Casinha de cachorro é capelinha. Ou carcaça da ventoinha.

O gato matreiro virou companheiro. Adorno do capô dianteiro. Cara de gato, envolto no emblema, pra ladrão não dar problema.

O cavalo, em essência, o motor, a potência. 25 cavalos, 36 cavalos, 46 cavalos, 52 cavalos, 65 cavalos. Não é pouco nem muito, mas suficiente. Sua pata é lanterna traseira, quanta besteira!

Desculpe os pudibundos, mas do bode veio ... o saco! Saco de Bode. Pode? Reservatório do esguicho da água do pára-brisa usado até 62. O que vem depois?


Do bode ao morcego ou vice-versa, vamos continuar a conversa. As asas abertas do mamífero voador deram o nome a um volante inspirador: aquele que o Fusca usou até 55. Fica um brinco! Pra não ficar solteiro, casou com o reforço do pára-lama traseiro. Loucuras deste autor, morcego também é o coletor de água da tampa do motor

A mareca, não invente, é a mufla do ar quente. Coisa de gaúcho carente. Quando mareca é pata, com chapéu e cachecol, vira pata-pata, feitos pela Norfol. São as capas dos pedais, acessório nunca é demais.

Destro ou canhoto, embreie de gafanhoto. Embreagem antiga, predecessora do chapéu chinês. Raro? Talvez! 

Vamos adiante. Da cobra, saiu a pele. Pele de cobra é a guarnição do vidro basculante.

Quando a pintura não é bem feita, vem a tristeza, que desfeita! É o pé de galinha que tanto incomoda. É foda!

Do mosquito, o mosquiteiro. Te protege por inteiro. Ajuda a ver o norte quando vem a chuva forte.

Do tatu, não tão brabo, pegou-se o seu rabo. Rabo de tatu é maçaneta de abertura da tampa do motor entre 49 a 52. Ora, ora, pois, pois!

Chega de baboseira! Não resisto! Da lagartixa caseira, algo imprevisto: virou alça de fixação do banco de trás. Quer mais?

Lobo não é raposa. Mas é Raposinha. Coisa de brasileiro, adivinha! Confusão com animais, virou brasão do capô do porta-malas. Abre-alas, aí vem mais!

Do burrinho, a teimosia. Quem diria! Burrinho empacado não sai do lugar. É o cilindro de freio pro Fusca parar.

Nem a borboleta escapou. Assustada, voou. É a porca de regulagem do cabo da embreagem. Que viagem!

Barata é Fusca. Não é conjectura. É assim em Cabo Verde, Guatemala. e Honduras. Se for pequenina, é Baratinha, o acabamento da alça do passageiro de trás. Segurança nunca é demais!

Artrópode repugnante, no Fusca, exuberante. Transformou-se em carrapatinho, forração do assoalho. Quanto trabalho!

Nem Bentinho, nem Capitu. É o carcará. O mesmo que brucutu. O formato de seu bico lembra o esguicho.

Nem o elefante escapou. Lanterna Fafá virou.

Corno, Deus me livre! Se de homem, é adorno. Se de bicho, é chifre. Se de Fusca, é a bifurcação traseira do chassi.

Não aguento mais, Tá chegando ao fim. Quase todo Fusca tem um Pinguim. É o batente de proteção do pára-choque. Fim do estoque!

4 comentários:

  1. Amigo, por favor entre em contato comigo matheusveriss@hotmail.com
    .

    ResponderExcluir
  2. Mas aqui no Brasil, o nome "Fusca" também tem a ver com besouros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fusca, pelo que sei... veio do uso da palavra VOLKS.... que "abrasileirado" virou FUSCA.

      Excluir
  3. Sugiro a criação de um post sobre o FUSCANÊS ou DICIONÁRIO DO FUSCA. Com os significados de tantas palavras ligadas ao carrinho, tais como: DENTADURA DE BAINO, CHAPÉU DE NAPOLEÃO, BRUCUTU, SACO DE BODE, PQP, BANANINHA, ORELHA, PINGUIM, GELA SACO, ETC

    ResponderExcluir