Fusca

Fusca

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

D DE DEUTSCHLAND


Desde o início do século XX muitos países europeus adotaram um emblema que identificava, de imediato, a nacionalidade do veículo, ou seja, o país em que ele foi emplacado.

Plaqueta "D" na traseira de um Fusca oval.

Plaqueta "D". De Deutschland.

Por tradição, sempre se facilitou, na Europa, a livre circulação de pessoas e automóveis entre os diversos países, cujas fronteiras são, em sua maioria, "secas", com inúmeras rodovias integradas. Para permitir, portanto, a fácil e imediata identificação da origem dos veículos, utilizava-se o símbolo nacional de cada país na traseira do carro.

 Plaqueta feita pela empresa alemã JOA.

Esse emblema, via de regra, possuía o formato oval, e, na sua parte central, repousava uma ou mais letras que identificavam o país do emplacamento do veículo.

Emblema com o suporte integrado, próprio para ser usado nos pára-choques com poleiro.

A adoção desses emblemas nacionais é bastante antigo. Surgiu em 11 de outubro de 1909, por ocasião da Convenção Internacional sobre Tráfico de Veículo Automotores, sediada em Paris, que ficou conhecida como Convenção de Paris. Seus ditames eram aplicáveis apenas aos países europeus que aderiram à convenção, como por exemplo, a Alemanha, Áustria e Suíça. Décadas mais tarde, foi novamente objeto de tratamento pela Convenção de Viena, de 1968.

Distintivo iluminado feito pela SWF.

Exigia-se que o símbolo nacional tivesse determinadas dimensões, tanto no formato da plaqueta quanto ao tamanho das letras. Esses distintivos deveriam, ainda, ser fixados na traseira do veículo de modo visível. Nada mais.

Emblema nacional iluminado da SWF instalado em um Fusca split.

Por conta disso, convencionou-se que cada país teria uma ou mais letras que o identificasse. À Alemanha atribui-se a letra "D". "D" de Deutschland, palavra alemã que significa Alemanha. A Áustria é identificada pela letra "A"; Hungria pela letra H; Suíça pelas letras CH; Principado de Liechtenstein pela letras FL; Luxemburgo pela L; Grã Bretanha pelas letras GB. E assim por diante. Obviamente, o uso do distintivo no veículo que circulasse apenas dentro dentro do próprio país não era obrigatório.

Distintivo SWF iluminado. Facilitava a identificação do veículo à noite.

Diversas empresas européias dedicaram-se à fabricação do distintivo nacional. Na Alemanha, destacam-se a WEGU, SWF e JOA. Na Bélgica, a empresa ROBRI.

Suporte SWF para fixação do emblema.

Apesar da existência de um padrão mínimo, algumas empresas - como a SWF e WEGU - inovaram e lançaram insígnias iluminadas. São, sem dúvida, os mais raros e belos emblemas feitos nos anos 50 e 60. Apesar de não ser obrigatório, o escudo iluminado facilitava a rápida identificação da nacionalidade do veículo à noite ou em túneis pouco iluminados.

Suporte do emblema era fixado no suporte do pára-choque do Fusca.

A maioria dos dísticos eram fixados com um suporte apropriado que era vendido junto com a insígnia, normalmente fixado no suporte do pára-choque. 

Placa feita pela empresa belga Robri.

Distintivo fabricado pela alemã WEGU. No detalhe, a marca da empresa insculpida no emblema.

Escudo da WEGU instalado em um Fusca oval.

Outro emblema iluminado.

Emblema instalado sobre o suporte do pára-choque. 

Não havia um local específico para sua instalação. A única exigência, como dito anteriormente, era de que ficasse em local visível na traseira do veículo. A maioria ficava instalada no lado direito ou esquerdo do veículo, sobre os suportes traseiros do pára-choque. Todavia, alguns eram instalados embaixo do nariz de placa como conjunto da moldura de placa; outros, por sua vez, eram fixados na tampa do motor, nos pára-choques ou, ainda, sobre os pára-lamas.

Dístico localizado embaixo do nariz de placa. Fazia conjunto com a moldura de placa.

Detalhe do emblema instalado sobre o capô do motor.

Escudo instalado no pára-choque.

Emblema "D" sobre o pára-lama.

"B" de Bélgica sobre o pára-lama. Acima da letra, o emblema do revendedor Volkswagen.

Dístico CH da Suíça instalado no capô do motor.

Escudo sendo oferecido na época em catálogos e folders de acessórios.

Com a criação da União Europeia, promoveu-se a uniformização das placas de licença dos países membros. Por causa disso, deixou de ser obrigatória a adoção de uma plaqueta específica identificando a nacionalidade do veículo.

Fusca brasileiro de colecionador: insígnia "D' ladeada pelo ano de fabricação do veículo.

Aqui no Brasil, o emblema "D' é bastante utilizado pelos colecionadores e simpatizantes do Fusca. Porém, com finalidade diversa, qual seja, de homenagear o país de origem do besouro. Todavia, as plaquetas utilizadas aqui, em sua ampla maioria, não são antigas, mas peças feitas atualmente.

3 comentários:

  1. Muito bom artigo. Certa vez defendi em um fórum brasileiro muito famoso sobre Fuscas exatamente o que o artigo apresenta e fui quase que banido do fórum: os "sabichões" não aceitavam a explicação real e diziam que era porque o carro era fabricado na Alemanha. Como sempre, os "sabichões" sabiam de nada. Parabéns pelo artigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado por prestigiar o blog. abraços.

      Excluir
  2. O emblema iluminado achei esquisito, acho que é falta de costume.

    ResponderExcluir