Fusca

Fusca

segunda-feira, 27 de junho de 2016

REBOQUE KARMANN-GUIA

 Os reboques feitos pela Karmann-Guia do Brasil ainda hoje despertam paixões.

 Aumentava, em muito, a capacidade de carga do veículo, principalmente se fosse um Fusca.

 Os mais populares e desejados são os modelos RE 350 e 360. Feitos em chapa de aço, são adequados para o camping ou para transportar qualquer outra carga. O modelo RE-350 podia transportador até 350 kg de carga, com área cúbica de 0,5 m3, aproximadamente.

Extremamente versátil, a tampa podia se transformar em mesa. Além disso, seu grande diferencial era a possibilidade de ser guardado na vertical, maximizando, em muito, o espaço de garagem. Os reboques RE 350 e 360 tinham dois suportes metálicos na parte de trás que tinham a função de sustentar o peso do reboque quando estacionado "em pé". 

O uso do reboque exige certos cuidados, especialmente ao manobrar o veículo. Também não pode ser submetido a velocidades superiores a 80 km/h, por razões de segurança.

A Karmann-Guia fabricou os modelos RE 350-360 entre as décadas de 60 a 80, restando poucos exemplares totalmente originais.


Era vendido nas boas lojas do ramo de acessórios automotivos, incluindo a Rede Zacharias.

 Nesse fim de semana, na celebração do Dia Mundial do Fusca (DMF 2016), em Curitiba, chamou-se a atenção do Reboque RE 360 feito pela KG, com placa preta.

 Fabricado em 1986, teve o privilégio de, após 30 anos, receber placa preta, em reconhecimento à sua absoluta originalidade.

 Plaqueta de pressão dos pneus no pára-lama dianteira.

 Rodas originais.

Adesivo da Karmann-Guia na traseira. 

 Detalhe dos suportes que sustentam o reboque quando na posição vertical.

 Plaqueta da Karmann-Guia do lado esquerdo, com o número da carroceria estampada.

Detalhe na marcação do número da carroceria no interior do compartimento do reboque. Esse número é o mesmo identificado na plaqueta do lado direito.

 Adesivo original na tampa interna com recomendações de lubrificação dos rolamentos das rodas, procedimento recomendado a cada 2.500 km rodados.

 No braço de fixação do reboque no veículo, outra plaqueta, com a identificação do modelo (RE360), do ano/modelo, do peso e velocidade máximos admissíveis, além de outros dados.

 Outra plaqueta com dados da capacidade máxima de tração admissível e do peso máximo admitido sobre o engate.

Nariz da luz de placa.

 Lente da luza de placa era feito pela empresa ARTEB.

2 comentários:

  1. Reboque com placa preta é novidade para mim.

    ResponderExcluir
  2. Tenho uma dessas na garagem desde 1987, mas vou me mudar e não terei mais o espaço para guardá-la. Uma pena!

    ResponderExcluir