Fusca

Fusca

terça-feira, 21 de maio de 2019

FERRAMENTA ESPECIAL

A retirada das chaves do limpador de pára-brisa e de acionamento dos faróis do painel do Fusca exigem uma ferramenta especial, que facilita o trabalho e evita possíveis danos à pintura. Já imaginou você instalando as chaves do painel após uma restauração completa do veículo, e, por falta de uma ferramenta adequada, acontece um arranhão no local?  Ou mesmo, em alguma manutenção de rotina, na necessidade de troca da chave do farol, por exemplo, advém um percalço dessa natureza e a pintura original de fábrica é danificada? Por isso, a importância de possuir a ferramenta adequada na execução de qualquer serviço no seu besouro. Esqueça aquela velha máxima de que um arame e um alicate resolvem qualquer problema no seu Fusca.

Essa ferramenta, conhecida no Brasil como chave Celfer, permite soltar e apertar os colares de retenção das chaves de acionamento do farol e do limpador de pára-brisa do Fusca antigo com total segurança.

A chave especial é oca, permitindo que as duas extremidades pontiagudas alcancem a presilha de alumínio que fixa as chaves do painel, sem que o eixo central dificulte o acesso da ferramenta aos pequenos orifícios que essa espécie de porca possui.

Diversos foram os fabricantes dessa ferramenta, destacando-se as marcas Bachert, de origem alemã, que tinha fábrica em São Paulo (SP),  cujos produtos eram de excelente qualidade.

A americana Snap-on também disponibilizava a ferramenta.

A Hazet, empresa alemã, não podia se furtar de produzir a chave.

Agradeço ao Welson Rabelo pelas fotos e incentivo.

quinta-feira, 9 de maio de 2019

VOLKSFEST 2019


"Parabéns aos organizadores! Que evento de alto nível!" 

"Tenho ido em todos os eventos que posso. Tanto aqui no Brasil quanto na Espanha., e, sinceramente, esse foi um dos melhores. É um tipo de evento pra calar a boca de quem fala da qualidade dos carros brasileiros lá fora"

"Nossa .... em choque com o Curitiba VolksFest. Vocês fizeram uma festa linda!" 

"Evento maravilhoso, nível internacional. Para ser sincero, foi o melhor evento que já fui até hoje! Superou minhas expectativas"

"Belíssimo evento. Super organizado. Excelente lugar e uma quantidade de exemplares raros. Por que não falar nossa Bad Camberg!" 

"Baita evento, energia muito boa, curti bastante!" 

"Parabéns por terem nos proporcionado um evento maravilhoso, com tudo o que queremos ver em um grande evento nacional"

"Evento perfeito e com uma qualidade de carros impressionante"

"Que evento! Parabéns e nota 10 com louvor aos organizadores e participantes. Tudo fantástico: carros maravilhosos, ótimas opções de alimentação, shows, organização"

"O alto nível dos veículos do encontro, dos premiados e da organização do evento é motivo de orgulho e coloca nosso Estado em posição de destaque na Federação"

"Resumo do VolksFest: foi muito foda!"

Começando pelo fim! Esse foi um breve resumo da repercussão do Curitiba VolksFest 2019, evento de Fuscas e derivados, que ocorreu no último final de semana, nos dias 4 e 5 de maio, no Bosque São Cristóvão, no tradicional bairro de Santa Felicidade.

De fato, considerando as dificuldades em se fazer um evento de ótimo nível no Brasil, a reação positiva do público e dos expositores, foi de lavar a alma dos amantes da marca, que há tempos anseiam por um encontro que priorize a qualidade do show.

Sexta-feira à noite: galpão praticamente tomado pelos alemãezinhos.

A movimentação já começou no dia anterior à abertura oficial. Na sexta-feira, dia 3 de maio,  começaram a chegar no local os primeiros veículos. Com um forte trabalho junto aos colecionadores para que tirassem da garagem suas preciosidades, o galpão coberto foi reservado, primordialmente, aos Fuscas alemães fabricados na década de 1950. Porsches e Kombis do período ficaram no mesmo espaço. Karmann-Ghias também foram colocados em espaço exclusivo reservado a esse modelo

Veículos do Brazilian Folks (SP), a caminho de Curitiba.

Grupo de Santa Catarina também na estrada em direção à capital paranaense.

Fusca Clube ABC em direção ao sul para marcar presença no encontro.

No sábado de manhã, vários comboios de veículos vindo de outras cidades e estados começaram a invadir as rodovias com destino à "Bad Camberg" brasileira - apelido sugerido por um dos participantes do evento. Guardadas as devidas proporções, a comparação com um dos maiores eventos da Alemanha  foi em razão da grande quantidade de Fuscas alemães reunidos num único lugar. Nunca se viu tantas janelas bipartidas, ovais ou, ainda, com o vidro traseiro maior, estes últimos  dos anos de 1958 e 1959.

Linha do Tempo: Fuscas de todas as décadas.

Merece também distinção a "Linha do Tempo" montada no local, com Fuscas de todas as décadas, ilustrando ao público presente toda a trajetória do besouro, desde a década de 50 até os últimos modelos fabricados no Brasil, conhecidos como Fusca Itamar. 

Placa com informações do veículo disposto na Linha do Tempo.

Cada veículo da Linha do Tempo ganhou uma plaqueta com informações importantes sobre as características da versão e modificações ocorridas naquele ano. Essas explicações orientavam os visitantes à medida que fossem percorrendo os veículos assim perfilados.

Fusca Pé-de-Boi magnificamente restaurado. Um dos destaques do evento.

Fusca 1959 com teto solar de lona. Rico em detalhes originais.

Fusca 1500 ano 1973. Que carro incrível para quem gosta de originalidade.

 Motor 1200 com detalhamento impecável. Todos se impressionaram com o capricho na montagem  de suas partes de peças. Um brinco!

Fusca Oval 1955.

Fusca Oval 1954, na cor Texas Brown.

Fusca 1951 incrivelmente original. A única customização foram a colocação de rodas. O painel desse carro é um verdadeiro fascínio, incrivelmente conservado e original.

Fusca Zwitter em versão "old speed". Pronto para um rallye!

Fusca Zwitter pronto para voar.

Mais um Zwitter. Preto, foi carinhosamente apelidado de "Darth Vader".

Visão do céu: Fusca 1950 com o raro compressor Judson. Veneno de época que até hoje é cobiçado pelos amantes da customização "old school".

Barndoor 1950. Minuciosamente restaurada, sua tampa traseira é bastante avantajada (daí o apelido de "barndoor" que significa porta de celeiro em português.

Criador e criaturas.

Vinicius Mamede, proprietário da Mamede Haus, empresa de restauração e customização de VW antigos localizada em Goiânia (GO), em posição altiva ao lado do Fusca 1950 e da Kombi Barndoor do mesmo ano. Ele foi o responsável pela primorosa customização do besouro e de aprimoramentos feitos na Kombi. Ambos os veículos acabaram, com todo mérito, sendo premiados no evento.

Karmann-Ghia saia e blusa em impecável estado.

O colorido da década de 70!

Um raro Karmann-Ghia da cor verde.

Kombi 1966: o interior original impressiona!

Kombi 1972, verde Iguaçu, com interior original absurdamente imaculado.

Kombi 1967, na cor bege Nilo e branco Lótus. Caprichosamente restaurada pelo proprietário.

Kombis de todas as cores e alturas!

Kombi Clipper 1995, acompanhada de um reboque da Karmann-Ghia. Incrível a quantidade de detalhamento dessa perua.

Kombis ladeando os arcos do Bosque.

Kombi 1968, em fase final de montagem. Nem por isso deixou de ser levada ao evento.

Variant alemã. Da cor do céu!

Os alemães tomaram de assalto o evento. Acima, mais uma Variant e TL montadas naquela país.

VW Type 411. Modelo raro no Brasil

Tempo Matador 1952: usava originalmente motor VW a ar de 1.100 cilindradas e 25 hp de potência.

Fusca 1500, feito na Alemanha, do ano de 1969 exibindo uma belíssima pátina.

Interior vermelho do Fusca 1500 alemão.

A banda feminina TNShe cativou a plateia no sábado à noite.

Destaque no domingo, o cover de Elvis Presley sendo levado ao palco em um Fusca Cabriolet 1959.

Além dos carros de ótimo nível, diversos shows de música abrilhantaram o evento, com destaque para a banda TNShe que deu um verdadeiro show no palco, cativando a plateia.  Rogério Cordoni, cover de Elvis Presley, Museos Rock Band, Rota 66, Tiago Juk, Legião Urbana Cover, Dama de Paus e Honey Blues Band também abrilhantaram o evento.

A comida também foi destaque, recebendo diversos elogios dos visitantes. Não podia faltar a tradicional feira de peças, onde os aficionados podiam encontrar aquele artigo que estava faltando no seu carro.

Registro da vida noturna do evento. Cerveja artesanal e boa conversa.

À noite, todos os gatos são pardos!

Um raro encontro no Brasil: dois Fuscas na cor "polar silber": um 56 e outro 57. 

Nenhum dos dois veículos são produção local (CKD). Um destinado originalmente ao mercado alemão e, o outro, ao mercado português.

Plaqueta de recordação do evento.

No domingo pela manhã, houve a divulgação dos veículos premiados. Dividido em diversas categorias, o prêmio reconhece o esforço de seus proprietários em manter uma parte da história da indústria automobilística viva. Os automóveis laureados foram os seguintes:

Prêmio Melhor Derivado: Kombi Barndoor 1950, de São Paulo (SP).

Prêmio Melhor Customizado: Fusca 1950, de São Paulo (SP).

Prêmio Melhor Restauração: Kombi 1959, do colecionador curitibano Mauro Alberti.

Prêmio Melhor Original: VW Karmann-Ghia 1600L Type 34, ano 1968, da família Heller, de Curitiba (PR) (foto gentilmente cedida por Douglas Xavier).
  
Prêmio Melhor Pátina: Fusca 1963, de Rodrigo Buffalo, da Confraria Volks de Curitiba (PR).

Prêmio melhor Cal Style: Fusca 1955, do entusiasta da marca Nê Lemos, do Brazilian Folks, de São Paulo (SP).

Prêmio Destaque: Fusca 1956, de Curitiba (PR) (foto gentilmente cedida por Douglas Xavier, proprietário da Valentin Higienização Automotiva).

Finalmente, Curitiba teve um evento de VWs clássicos que entrou para a história. Além da qualidade dos carros, o comportamento do público visitante foi exemplar. Várias crianças no local, confirmando o ambiente saudável e familiar do encontro. Parabéns aos organizadores e todos aqueles que, direta ou indiretamente, colaboraram para o sucesso do Curitiba VolksFest 2019. Quem perdeu, agora só em 2020! E já tem data marcada: será nos dias 2 e 3 de maio do próximo ano.